sábado, 27 de julho de 2019

sexta-feira, 26 de julho de 2019

Vitorino Nemésio (1901-1978) | Conferência de António Valdemar | Auditór...

Vitorino Nemésio (1901-1978) | Conferência de António Valdemar | Auditór...




UMA RECORDAÇÃO! 
 Fez um ano que António Valdemar, meu caríssimo Amigo, Académico e trabalhador incansável, fez na Biblioteca Pública da Horta uma conferencia sobre Vitorino Nemésio, que reproduzimos.

Ao ler hoje as referência biográficas na Wikipedia tive a surpresa agradável de saber da existência da Comissão da Carteira Profissional de Jornalista, onde o António Valdemar ocupa o Primeiro Lugar!









quinta-feira, 25 de julho de 2019






Do arquivo da Torre do Tombo

Maria Veleda  -  1












Do blogue APH  -  Associação de Professores de História









Do Dicionário de Maçonaria de Oliveira Marques







quarta-feira, 24 de julho de 2019



Já há muito tempo que não vou ao Museu de Arte Antiga








Mas hoje fiz uma visita online!...











terça-feira, 23 de julho de 2019





Do blogue de António Roma Torres - TERAPIA









Sunday, 21 July 2019

Ernesto Roma
O meu tio avô, Ernesto Roma, estava em Boston, nos Estados Unidos, nos anos vinte do século passado quando a insulina foi descoberta em Toronto, no Canadá. Assistiu aos primeiros testes clínicos na célebre Clínica de Elliot Joslin. Quando regressou a Lisboa foi ele quem introduziu em Portugal a insulinoterapia no tratamento da Diabetes.

ERNESTO ROMA (1887-1978) 

Mas o mais notável foi a sua visão daquilo em que verdadeiramente consiste tratar uma doença.
Influenciado pelo seu mestre Carlos Bello Morais, director da Faculdade de Medicina de Lisboa, ele tinha rumado a Boston para trabalhar com Richard Cabot, que em Harvard tivera uma grande importância no desenvolvimento da saúde pública, e na luta contra doenças infecciosas, que afectavam principalmente os mais pobres. Isso implicava não apenas o desenvolvimento tecnológico, de que a descoberta da insulina era um exemplo, mas a intervenção social de que a medicina não se pode afastar.
Por isso criou a Associação Protectora dos Diabéticos Pobres em 13 de Maio de 1926, ainda hoje designada como Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP) com um trabalho exemplar na educação do diabético. É a decana das associações similares em todo o mundo e o seu trabalho pioneiro ainda é referido nos tratados mais recentes (Richard I. G. Holt et al., Textbook of Diabetes, Wiley, 2017).
Em Novembro de 2017 a Câmara Municipal de Viana do Castelo, cidade onde nasceu, prestou-lhe homenagem com uma exposição, Ernesto Roma Vida e Obra, na Biblioteca Municipal.
Nessa altura, como comissário da exposição, tive oportunidade de dizer estas palavras:
Fiz o curso de medicina no Porto e enquanto ele em Lisboa foi progressivamente abandonando a clínica, e concluí a especialidade de psiquiatria no ano em que ele morreu.
Conheci, pouco antes, a sua tese de licenciatura, que para o homenagear fizeram publicar quando ele fez 90 anos, e soube então da sua primeira inclinação pela psiquiatria e do convívio ainda aluno com Miguel Bombarda e Júlio de Matos.
Coube-me pouco depois cumprir o serviço militar obrigatório no Hospital Militar no Porto onde os endocrinologistas Camilo Morais e Eduardo Souto, de quem fui colega de consultório nos meus primeiros passos de clínica privada, organizaram um congresso sobre diabetes.
Conheci aí o Dr. Manuel Sá Marques e o Prof. Pedro Eurico Lisboa, que iniciavam as suas apresentações com um primeiro slide com a fotografia do, como diziam, Mestre Roma e impressionou-me o espírito de escola, mas também o calor afectivo e o entusiasmo dos seus discípulos, e uma sensibilidade à relação médico-doente diabético e uma perícia de comunicação que aos meus olhos, de já iniciado nessa difícil arte, os qualificava plenamente como psicoterapeutas.
A educação do diabético, a convivialidade da associação, a alegria que cobria o sofrimento de uma doença ameaçadora, mas fácil de submergir ao mecanismo de defesa chamado negação, tudo isso me serviu de modelo e agora no final, por limite de idade, da minha carreira pública, mais fácil de apreciar.
O destino que muitas vezes governa opções de natureza insondável, levou-me pelo campo da psicoterapia, da terapia familiar sistémica e, em progressivas aproximações, das terapias multifamiliares e de rede, que não me permite agora resistir à tentação de fazer uma leitura do pioneirismo do trabalho de Ernesto Roma e da Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal, que mais do que prolongar o seu trabalho o ampliou muitíssimo, a partir do rigor científico da medicina-baseada-na-evidência e de práticas psiquiátricas que ainda nos tempos actuais são inovadoras.
Pioneirismo foi introduzir o uso da insulina em Portugal. 
Pioneirismo foi perceber que o progresso verdadeiro implica solidariedade e em especial com os pobres. 
Pioneirismo foi criar uma associação que é a decana mundial das suas congéneres. 
Pioneirismo foi acreditar na educação como factor terapêutico mesmo numa população que não tinha o melhor nível de instrução geral. 
Pioneirismo foi perceber que se podia dar uma aula com giz e ponteiro na sala de espera, a quem não tinha tido as oportunidades mais justas de ensino e aprendizagem. 
Pioneirismo foi acreditar que se pode ter uma doença crónica e manter o melhor nível de autonomia se se encarar o tratamento e a saúde como uma questão de responsabilidade sobre si próprio. 
Pioneirismo foi estudar a alimentação com o olhar da ciência, mas não desprezar o prazer da comida e o seu valor cultural. 
Pioneirismo foi perceber que a educação do diabético não consiste em fazê-lo obedecer a regras que lhe são exteriores, mas antes dar-lhe a oportunidade de conhecer o corpo e saber trata-lo com liberdade e responsabilidade. 
Pioneirismo foi substituir o autoritarismo e o paternalismo ainda dominantes por um respeito humano democrático na relação do médico com o doente.
Mas pioneirismo foi principalmente descobrir de forma empírica realidades que os vindouros vieram a saber explicar e têm como certas.
Tive o privilégio de conhecer psiquiatras e terapeutas familiares norte-americanos que foram, ou melhor dizendo são ainda, pioneiros em formas de tratamento de doenças crónicas, somáticas e psiquiátricas, que hoje exigem nova atenção quando a evolução tecnológica permitiu uma medicina próxima da omnipotência na ameaça aguda, mas frequentemente frustrante na evolução continuada que se lhe segue. 
Eles mostraram que uma abordagem humanista é também uma postura competente e cientificamente fundamentada.
Imagino que o meu tio Ernesto Roma teria uma profunda satisfação se pudesse ouvi-los ou lê-los cinquenta anos depois de ter terminado a sua vida clínica.





sexta-feira, 19 de julho de 2019

quinta-feira, 18 de julho de 2019




A Câmara de Sintra e a 1.ª República
















Continua








quarta-feira, 17 de julho de 2019



António Valdemar conversando com Francisco Faria Paulino

António Valdemar - conversador emérito!


A propósito da homenagem prestada quando da atribuição do título de sócio honorário pela Associação Portuguesa de Escritores




Transcrevemos do blogue




Gonçalo Pereira, director da edição portuguesa da National Geographic. Blogue sem pretensões partidárias nem aspirações carreiristas. Na blogosfera desde 8 de Outubro de 2004.




Valdemar visto por Mário Soares
Em 2010, o antigo Presidente da República Mário Soares escreveu o prefácio do livro República em Loures a 4 de Outubro, de António Valdemar. A recente distinção de Valdemar como sócio honorário da Associação Portuguesa de Escritores justifica a reprodução desse documento que testemunha a cumplicidade entre as duas personalidades.

«É um grande gosto – e uma honra – apresentar um livro sobre Loures e a República, escrito pelo meu velho amigo e antigo aluno, no Colégio Moderno, José Stone de Medeiros Tavares, que adoptou o nome literário e profissional de António Valdemar.
António Valdemar é, sem favor, um grande jornalista, profissão que exerceu brilhantemente ao lado e em convivência estreita com grandes jornalistas de todas as famílias políticas - diria dos maiores - da segunda metade do século XX. Mas não é só um jornalista. É um erudito, um homem de vastíssima cultura, conhecedor como poucos da história contemporânea portuguesa e das suas principais personalidades literárias, políticas, científicas, artísticas e universitárias. É sócio efectivo da Academia de Ciências de Lisboa e Presidente da Academia Nacional de Belas Artes. É, além disso, um curioso e um grande contador de histórias.
Açoriano de gema, filho de uma família de convicções republicanas, o Pai era advogado, tendo feito o curso de Direito em Coimbra onde foi condiscípulo de Mário de Castro, Eduardo Figueiredo, Alberto Martins de Carvalho, João Lumbrales e outros.
António Valdemar, ligado sentimentalmente aos Açores, amigo próximo de Vitorino Nemésio, de quem foi admirador e biógrafo viveu, contudo, sempre em Lisboa e, dadas as funções que exerceu, em diversos jornais, conheceu praticamente toda a gente que contou ou que conta ainda hoje na sociedade portuguesa. Tem, de resto, sempre uma história, quase sempre divertida, para contar, a respeito das pessoas de quem se fala, por esta ou por aquela razão. É, por isso, que costumo dizer que Valdemar é uma fonte inesgotável de referências, uma espécie de biblioteca viva. É, além disso, um leitor compulsivo, incansável e arguto, conhecendo pessoalmente as grandes figuras literárias portuguesas, dos últimos sessenta anos e os seus livros. Tem, aliás, uma memória impressionante, que vai até aos menores detalhes.
Herdou do Pai o amor pela República, tal como foi vivida, apesar de todos os incidentes ocorridos, na I República (1910/1926). Foi sempre, além de republicano, anti-fascista, tendo vivido a Ditadura Salazarista, que teve o privilégio de conhecer por dentro, numa atitude crítica.
É, por isso, que tem vivido com paixão o Centenário da República, de cuja Comissão Organizadora faz parte, como representante da Academia das Ciências e da Academia Nacional de Belas Artes.
A Assembleia Municipal de Loures convidou-o para fazer um livro sobre a República e Loures. É, assim, um texto límpido, original e erudito que ora vos apresento, a seu pedido.
Loures, como se sabe, é uma terra republicana, onde a República foi implantada a 4 Outubro de 1910, um dia antes da proclamação oficial feita, da varanda do Município de Lisboa, por José Relvas. Os leitores perguntar-se-ão: porquê? Porque quando Machado Santos revoltou o quartel de Campo de Ourique e marchou para a Rotunda, na noite de 3 para 4 de Outubro, depois de ter ocorrido o assassinato, por um louco, em Rilhafoles de Miguel Bombarda, chefe civil da Revolução. Isso suscitou várias hesitações, como, de resto, o suicídio do Almirante Cândido dos Reis, na noite de 4 para 5, por alguns oficiais comprometidos se terem convencido que a Revolução tinha falhado.
Loures proclamou a República em 4 de Outubro e manteve-se mais ou menos tranquila e isolada à espera das notícias de Lisboa, que finalmente chegaram.
O livro de António Valdemar tem vários capítulos, todos escritos com grande conhecimento de causa. Começa por uma breve  monografia de Loures, desde o princípio do século, passa para a republicanização do Concelho e reflecte sobre o estado do País, na época. Descreve, a seguir, a importância dos Centros Republicanos - o primeiro na área de Loures, surgiu em Sacavém - faz a distinção entre a Carbonária e a Maçonaria (com documentação inédita) e explica a influência desempenhada pela imprensa republicana numa vila como Loures. Refere a proclamação comparada da República, em Loures e em Lisboa e, finalmente, ocupa-se das reformas do Governo Provisório e das cisões no velho Partido Republicano, após a Constituição de 1911.
A edição é muito rica em ilustrações e tem uma excelente bibliografia do essencial do que se tem escrito, desde o aparecimento do Movimento Republicano, no Centenário de Camões (1880) até 1912.

Por tudo o que referi, felicito o António Valdemar pelo seu trabalho e incito, vivamente, à leitura do seu belo livro.»


A intervenção de Eduardo Lourenço no Grémio Lusitano
No Grémio Lusitano, em Outubro de 2015, o ensaísta Eduardo Lourenço apresentou o livro Almada, os Painéis, a Geometria e Tudo, de António Valdemar. Eis as suas palavras (também disponíveis aqui):

«O convite para apresentar o livro do Antonio Valdemar Almada os Painéis a Geometria e Tudo, deixou–me, naturalmente, intranquilo e curioso, dado que se tratava de Almada Negreiros. Depois de lido, fiquei perplexo. De facto, não há nada que me recomende para estar aqui, neste momento, excepto o facto de considerar Almada Negreiros uma das grandes figuras do nosso século XX, do grupo Orpheu, ao qual, sobretudo devido a Fernando Pessoa, tenho dedicado alguma atenção.
Pintor, poeta, dramaturgo – Almada Negreiros converteu tudo a que se dedicou numa vida singular no seu tempo. Era a sua maneira de ver as coisas. É uma espécie de jogo com as evidências e de repetição dessas evidências, como se as pessoas não tivessem compreendido à primeira vez – compreenderiam à segunda e daí para baixo, como ele dizia.
Por mais que me familiarize com a obra de Almada, precisaria de, não duas ou três vezes, mas de várias vezes para assimilar essa singularidade da sua expressão e da sua visão das coisas. Além do mais, penso que, para apresentar este livro do António Valdemar, haveria vários especialistas – à falta de melhor vocábulo – familiarizados com a obra, o pensamento e a visão do Almada. Posso lembrar José-Augusto França, que dedicou, penso, uma obra importante sobre  Almada. França não está cá, está longe de nós e eu não posso ficcionar a substituição de uma referência.
Uma parte substancial deste livro do Antonio Valdemar é dedicada à famosa querela suscitada pelos Painéis e, sobretudo, à parcela importante que Almada teve nesse debate. E só é importante porque o Almada interveio nessa polémica. Interveio por razões de pintura que se converteram em razões de história da pintura.
Sem querer, viu-se envolvido numa querela que é magnificamente relatada pelo António Valdemar. Quem lê esse relato fica elucidado sobre a essência do debate. É uma das grandes querelas do século passado, mas uma querela para uma espécie de «seita» de especialistas na leitura da obra fulcral da nossa arte dos primeiros anos – ressuscitada, diria, com os painéis no centro – em função dos critérios do próprio Almada Negreiros, que tinha uma visão muito particular da história da pintura nos começos do século XX.
Almada teve papel fulcral no processo pouco depois de os Painéis terem sido descobertos, expostos e oferecidos à contemplação dos experts. Depois de descobertos no Mosteiro de São Vicente num estado lamentável, os painéis tinham sido (restaurados pelo pintor Luciano Freire) e organizados (por José de Figueiredo) director do Museu Nacional de Arte Antiga, de acordo com uma estética que terá parecido adequada. Ora, quando Almada Negreiros olhou para os Painéis, descobriu que a disposição que fora proposta tinha problemas de legibilidade.
A maioria dos observadores focar-se-ia naquela extraordinária série de retratos do século XV, tão importantes para a história do nosso país. Almada observou o pormenor que ajudava a organizar esses quadros de uma outra maneira – a disposição dos ladrilhos. A posição desses ladrilhos insinuou uma nova disposição para a série, que conferia unidade à obra para as pessoas que estavam nela interessadas.
Tudo se passou com fluidez numa primeira fase, mas em breve nasceu um romance que seria digno de Sherlock Holmes, pois incluiu mistério, inveja e ciúme dentro da história da arte. Nesta área, tal como noutras, o ciúme existe, sobretudo quando confronta alguém que é uma espécie de proprietário, ou responsável, pelo museu da altura e um amador, como era o jovem Almada. Numa primeira fase, pareceu que a sugestão de Almada fora aceite, mas, depois, o mérito da “descoberta” que permitia ler os painéis de uma outra maneira foi atribuído a outrem. Foi uma querela entre um pintor e um historiador de arte,( José de Figueiredo)  que poderia ser normal, mas que tomou uma proporção incrível, atendendo àquilo que cada um deles era e também à atmosfera de dramas e controvérsias que eram muito características da época.
Tudo isto está explicado no texto de António Valdemar e não me vou embrulhar nesse enredo para não ficar preso nele e não dizer mais nada até ao fim! O mais importante para mim, a propósito dos Painéis, é o facto de Almada Negreiros, com esse interesse pela descoberta e visão que os Painéis lhe provocaram, ter encontrado um objecto de fixação e de paixão, que já não era a de um simples pintor que tentava perceber o que lhe está a dizer um artista de outro tempo, mas sim a realização imediata de que aquele quadro é um quadro fundamental da nossa cultura, a ponto de ele considerar esse políptico como o conjunto mais importante que a história portuguesa da pintura conhece, como uma espécie de auto-retrato da realidade portuguesa ao mais alto nível simbólico e estético produzido por um pintor português, o Nuno Gonçalves.
E decifrar esses painéis, para ele, é reinterpretar ou perceber uma espécie de essência daquilo que é Portugal na sua realidade simbólica, na sua identidade. Só por isso é que eu justifico a minha presença aqui! Fora isso, não tenho uma leitura própria destes Painéis.
A questão que os Painéis constituíram para o jovem Almada Negreiros já é qualquer coisa que me interroga e que nos interroga a todos porque não é uma obra entre outras obras. É a obra. Num certo momento – não é um momento qualquer da história portuguesa –, fixa, de maneira memorável, qualquer coisa que não é só uma qualidade artística inegável, mas também uma espécie de aparição, de materialização, uma espécie de imagem do que era a elite portuguesa de um certo tempo, muito diferente de todos os outros que nós conhecemos enquanto portugueses. Aquele foi o tempo em que teve lugar o acontecimento mais importante por que passámos até hoje: saímos de nós próprios. Fomos ao encontro do mundo de que pouco ou nada conhecíamos e ficámos desde então marcados como o povo de navegadores, que hoje, aliás, já não navega – deixou de navegar.
Porém, navega naqueles quadros e isso foi qualquer coisa que Almada Negreiros viu como um momento da nossa história enquanto portugueses, enquanto criadores, enquanto país de pintura. Uma espécie de bilhete de identidade transcendente daquilo que nós fomos e que, politicamente, continuamos a poder ser e pensamos que poderíamos recuperar o que está inscrito nesses painéis.
Essa descoberta importante para o futuro do próprio Almada Negreiros é acompanhada também por outra paixão que lhe desperta um segundo quadro da mesma época, o Ecce Uomo. Ele confessa – coisa rara, vinda da parte de Almada Negreiros – que tem por ela um fascínio que não sabe explicar, um fascínio diferente de tudo o que ele já recebera de uma obra de arte, religiosa ou não. O Ecce Uomo é uma imagem de Cristo, da paixão de Cristo, exposto de forma a que Cristo expresse a miséria humana, flagelada pelos olhos de um deus que manifesta o paradoxo supremo da sua impotência.
Ecce Uomo, curiosamente, é um título também de uma das obras de Nietzsche, uma das referências daquela geração e não só. Ecce Uomo é escrito por aquele que é, ao mesmo tempo, o profeta do super-homem referido em Assim Falava Zaratustra. Nietzsche é uma presença constante em toda essa gente do Orpheu e também em Fernando Pessoa.
Aprendi muito com esta obra de António Valdemar. Confirmou para mim esta ideia de que, política e simbolicamente, numa perspectiva autobiográfica e essencial, a revista Orpheu constituiu o lugar de aparição de três ou quatro dos poetas mais importantes do século XX. E note-se que, nessa trindade essencial, o mais jovem da geração é Almada. Tão jovem que Fernando Pessoa o tratava por bebé. Para um grandão atlético como era Almada Negreiros, deveria ser um pouco sufocante.
Ao mesmo tempo, é interessante analisar como as declarações de Almada ao longo da vida revelam como ele próprio se situava em relação à geração de Orpheu, mas fundamentalmente enquanto actor de si mesmo. Comparado aos outros, mesmo com Fernando Pessoa, ele distinguia-se. A sua relação com Pessoa naquele grupo – não só com ele, como com todos os outros – era uma relação de eus independentes. Cada um era o que era, com o reconhecimento do outro. E essa é uma veleidade de Almada que, por seu turno, visto de longe, aparece como uma espécie de Não-Pessoa por excelência.
Pessoa tem uma relação singular com a sua identidade própria que é aquilo que o caracterizará para sempre. Considerou o eu como uma ficção suprema. Numa realidade em que tudo é ficção, o eu é a ficção das ficções. Nós só vemos a realidade em sombra porque a realidade originária nos é inacessível. É uma ausência suprema. Não há a palavra humana concreta, pois ela não pode visar o real. Ela pode dizer a ausência da verdadeira realidade.
Almada Negreiros professa exactamente o contrário: o que nos caracteriza é a inscrição na realidade. O nosso olhar capta de facto o que é o real. Nós somos aquilo que reveste a realidade de um sentido e de uma forma. Há uma oposição quase dialéctica entre a visão de um e a do outro.
Sublinho que, como Pessoa era muitos, também há um laço muito grande entre um dos Pessoas, o mais importante de todos, o mestre dos outros chamado Alberto Caeiro e Almada Negreiros. É justamente Alberto Caeiro quem sustém que uma flor não tem essência – é a flor que vemos e sentimos. Um corpo não é a forma das vestes, diz num dos sonetos órficos; é a essência da própria realidade. Há assim, naquele grupo, uma curiosa correspondência, duas maneiras diferentes de exprimir a situação enigmática do que nós sabemos sobre a humanidade, o homem e a nossa ciência. Não são assim tão diferentes.
É interessante igualmente notar que, aquando do 50.º aniversário do Orpheu, um texto de Almada Negreiros – um dos mais importantes dele – reivindicava, por um lado, a singularidade do Orpheu como a primeira manifestação cultural em que os criadores literários estavam associados como os criadores de Arte. Efectivamente, nem na geração romântica, nem na geração de 70, apesar de encontrarmos muitos ecos delas na geração do Orpheu, tiveram entre elas um artista. Nenhum pintor de renome perpetuado na nossa memória.
Almada sublinhava essa singularidade. Curiosamente, dizia também que, cinquenta anos depois, a personalidade importante do Orpheu na poesia chamava-se… Mário de Sá Carneiro. Nada disse sobre Pessoa. Não sei em que lugar o punha, até porque Almada tinha muitos lugares, mas a verdade é que ele, não sei se por ciúmes ou por complexo de estrela de primeira grandeza, começava já a afastar-se do corpus desta espécie de novo profeta, traído pelos seus, que foi o mito de Fernando Pessoa.
Nada foi mais importante na vida de Pessoa do que ser visto pelo outro. Estranha criatura que quase desaparecia ao pé dos interlocutores, como notou um francês que conversou com ele, como um fantasma. Esse lado fantasmagórico, esse lado apagado, traduzia-se no sentido do outro nos livros, na obra impressa. Almada, em oposição, era esse ser luminoso, um ser positivo, alguém que estaria mais próximo da nova visão das coisas, dava um sentido positivo ao que somos como seres terrestres neste mundo e não noutro onde não há deus possível, como dizia Fernando Pessoa.
Estranho que, num país tão celebrativo, onde se canoniza com tanta facilidade, Almada continue numa espécie de solidão que António Valdemar voltou neste livro a recuperar. Não é conhecido, mas é o autor dos nossos Painéis, uma invenção moderna daquilo que foi a nossa aventura, não só histórica como artística, de séculos passados e já fixada na memória como mítica. Nos Painéis, Almada fixou a vida real do seu tempo. Promoveu a invocação, não à maneira da elevação do ser de Pessoa, mas de uma visão da Lisboa real, a Lisboa da maresia, do sol e da sombra. É essa Lisboa que ele reinvoca. Por isso, deu tanto destaque aquilo que lhe parecia a forma do eterno feminino, que são as nossas heroínas que embalam os homens nas canastras de Lisboa.
Essa é a modernidade do nosso Almada. É estranho pensar que o futurista por excelência daquele grupo, aquele que encarnou numa primeira fase mais do que ninguém o modelo de uma rejeição do antigo e do passado se tenha fascinado por uma obra do passado, munindo-se de uma frase de Delacroix: o moderno é sempre o passado. Esse paradoxo, essa aparente contradição, é usado para explicar a nossa relação com o passado. O passado já não volta mais, por definição, mas Almada aproxima-se da relação de Pascoaes como futuro, sintetizada naquela frase extraordinária: o futuro é a aurora do passado.
O passado de Almada é, neste momento, o nosso futuro.»






terça-feira, 16 de julho de 2019






Caricatura de Bernardino Machado


Do blogue do Dr. Emílio Ricon Peres - "Memória da República"
Américo da Silva Amarelhe
Tinta da china s/papel
N. ass. /N. dat.












domingo, 14 de julho de 2019





Ramon Machado de la Féria














Num anterior blogue recordei o Dr. Ramon Donato de la Féria  -  Clicar aqui

Hoje gostava de transcrever o texto que o meu caríssimo António Valdemar  escreveu sobre o filho do Dr. Ramon Donato de la Féria, o meu colega de curso - Ramon Machado de la Féria.




Para leitura do texto clicar por duas vezes sobre a imagem!