sábado, 31 de agosto de 2019

sexta-feira, 30 de agosto de 2019





 

Condecorações da Avó Elzira Dantas Machado





Grã-cruz da Ordem de Cristo

Grã-cruz da Torre e Espada






quinta-feira, 29 de agosto de 2019

quarta-feira, 28 de agosto de 2019





Antifascistas da Resistência
27 de Junho de 2016 · 


BENTO DE JESUS CARAÇA (1901 – 1948) *

Bento de Jesus Caraça, um homem que abençoava as ilusões

Há cem anos, nasceu uma criança do sexo masculino que, diriam mais tarde as velhas mulheres, parecia fadada por uma estrela. Estrela, sem dúvida, contraditória. Porque, se cedo se evidenciou que a sua sorte seria diversa daquela a que a origem social o destinava, e a sua vida se afirmou, desde a infância, como conquista de espaços cada vez mais amplos, o seu tempo seria breve. Ao morrer, 47 anos depois, o adulto que foi esse menino diria, segundo testemunho do sobrinho, «tão pouco tempo...» Tempo breve mas intenso. Marcando a sua época. E a nossa ainda.
Falamos de Bento de Jesus Caraça, filho de trabalhadores rurais, nascido a 18 de Abril de 1901, em Vila Viçosa.

A morte tocou-lhe à nascença. Conta a irmã, mais nova, Filomena Caraça, que a mãe, aflita, vendo o menino a finar-se, correu à igreja a baptizá-lo, sem pensar sequer que nome pôr-lhe. Acudiu-lhe o padre, sugerindo Bento de Jesus. Mais tarde, Bento Caraça ironizará em resposta a uma crítica ao seu trabalho em O Diabo, jornal da frente intelectual mais radicalmente oposicionista e plataforma do movimento neo-realista. «Um articulista de Beja descobriu numa hora de ócio que há uma quase contradição entre o meu nome tão católico (sic) e o meu ingresso nas hostes diabólicas (re-sic). Que quer amigo? Fui baptizado à pressa e com um escasso mês de idade. Razões por que se julgaram dispensados de me consultar...»
Levado aos dois meses, pelos pais, para a Aldeia de Montoito, no Redondo, onde o pai é feitor da Herdade da Casa Branca, dá aí os primeiros passos e conhece, com pouco mais de 4 anos, as primeiras letras ensinadas por um trabalhador errante, desses que sazonalmente chegavam ao Alentejo, este trazendo, no pouco de seu, uma cartilha escolar. Impressionada com a inteligência do menino, a senhora da herdade, D. Jerónima, torna-se «sua protectora»: assim assinará as cartas e postais que lhe escreve, até morrer, para os diferentes lugares para onde o envia a aprender a ser diferente: um homem culto. 
É neste percurso protegido que Bento Caraça passa pelo Liceu Sá da Bandeira, em Santarém, e, em 1915, se encontra no Liceu Pedro Nunes, em Lisboa, espaço de descoberta de amigos, como Luís Dias Amado, tornado quase irmão, e Carlos Botelho, pintor da cidade e dos seus entardecesse; espaço de encontro com o amor através de Maria Octávia, filha do professor de matemática, Adolfo Sena; e limiar de um combate em que política e cultura constituem uma mesma matriz.. 
Em 1918, Bento Caraça termina com distinção o curso liceal e entra no Instituto Superior do Comércio, designação ao tempo do Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras, actualmente Instituto Superior de Economia e Gestão. Em Fevereiro de 1919, no segundo ano do curso de Economia, escreverá numa folha de papel que encontramos no seu espólio: «hei-de ser o primeiro aluno do meu curso». Sê-lo-á. Nesse mesmo ano, o professor Mira Fernandes, insigne matemático, recomenda a sua nomeação como 2º assistente temporário do Instituto para as cadeiras de Álgebra Superior e Geometria Analítica, 1º grupo. Licencia-se em Outubro de 1923 com «bom com distinção», em 1924 passa a 1º assistente, em 1926 entra para a Comissão de Redacção da Revista de Economia, em 1927 é nomeado professor extraordinário e em 1929 é professor catedrático. A sua carreira revela-se fulgurante.
Com ele e através dele, a matemática torna-se um universo diferente, fascinante. Quer pelo seu estilo pedagógico, quer pela paixão que imprime e comunica na divulgação da matemática. Sucede algo de inusitado no Instituto. Alunos de outras turmas, de outras faculdades, de outro âmbito escolar, até de ciências humanas, afluem às suas aulas. As aulas inaugurais de início do ano escolar tornam-se um acontecimento cultural, um ritual de passagem. Este professor que transforma o olhar sobre uma matéria até considerada inóspita, este homem que vê no rosto dos alunos o estado de ânimo e os interpela pessoalmente, os consola e aconselha, este homem irónico e meigo, é , porém, extremamente rigoroso, exigente. Os alunos parodiam as iniciais do Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras: «Isto sem o Caraça era fácil».

Como estudioso e divulgador, Bento Caraça introduz uma ruptura fundamental. Na sua obra, atrás do número, das figuras geométricas, das equações, é todo o tempo humano que pulsa, a respiração do social, as contradições de classes, a ansiedade e a luta dos homens fazendo-se no acto de fazer a história e as ciências. Praxis social e matemática cruzam-se dialecticamente. A renovação pedagógica e epistemológica do livro Os Conceitos Fundamentais da Matemática, editado em 1941, ofusca outras obras de Bento Caraça no mesmo domínio. É o caso de Lições de Álgebra e Análise, cuja publicação, em 1935, marca, segundo o professor Sebastião e Silva, «uma presença na história do ensino da matemática em Portugal». Este paradigma novo, que recupera a historicidade da produção científica, transparece no domínio da econometria que Bento Caraça introduz na investigação académica. Em consequência, cria, em 1938, com Mira Fernandes e Caetano Beirão da Veiga, o Centro de Estudos Matemáticos aplicados à Economia. Impulsionará, também, o Movimento Matemático que, entre 1937 e 1947, congregará matemáticos, físicos e químicos, numa linha de investigação inovadora, criativa, em consonância com a investigação internacional. Caraça encontra-se também entre os primeiros académicos que constituem, em 1940, a Sociedade Portuguesa de Matemática, cuja comissão Pedagógica dirige. Na Sociedade encontra-se entre os fundadores da Gazeta da Matemática, e participa nos congressos da associação Luso espanhola para o Progresso das Ciências, em 1941, no Porto, e, em 1944, em Córdoba.
Se na matemática Bento de Jesus Caraça opera um corte epistemológico transversal a todo o domínio científico, no plano cultural constituirá, como salienta Eduardo Lourenço, uma referência constante na sua própria geração e na que se lhe sucede. Quando dizemos «obra», significamos não apenas a vasta produção teórica, mas as práticas que protagoniza e incentiva. O que se trata é de praxis revolucionária, uma praxis em que combate cultural e político coincidem, no puro sentido do jovem Marx, filosofia, cultura, comprometidas na mudança do mundo.
Para o grupo social dos intelectuais de esquerda, dos anos trinta e quarenta, num leque vasto que vai de republicanos, mais ou menos radicais, seareiros, a marxistas, as armas da crítica têm um alvo político directo, a ditadura salazarista. Se divergem ideologicamente e se opõem , frequentemente, na concepção táctica e estratégica, o seu alvo é o mesmo: o derrube do auto-designado «Estado Novo». Toda a inteligência oposicionista esgrime contra a situação de miséria social e cultural, para cuja mudança a cultura é tão mais fundamental quanto o salazarismo investiu ideologicamente no obscurantismo, nomeadamente por via da «Escola, oficina de almas», e, de forma mais refinada, da «Política do Espirito» que, sob o impulso inteligente de António Ferro, mobilizou mesmo alguns intelectuais não fascistas.
É pois num contexto de condicionamento cultural, fortemente repressivo, agindo nas consciências e nos actos pela censura e pela interdição das liberdades de reunião e de associação, que Bento de Jesus Caraça sobressai num grupo de outros importantes combatentes. A sua concepção de cultura «como despertar das almas», de «aquisição da cultura« como significando «a conquista da liberdade» afirma-se na série de conferências e escritos (mesmo os matemáticos), nos artigos que publica no Globo, jornal efémero que, a 11 de Novembro de 1933 , funda e dirige com José Rodrigues Miguéis, no Liberdade, em O Diabo , na Seara Nova e noutros orgãos de intervenção. Mas não somente. Toda a sua vida quotidiana é de empenho cultural e político. Na Universidade Popular Portuguesa, cujos corpos gerentes integra, desde a fundação em 1919, e a que preside, desde 1928 até à morte, Bento Caraça imprime um debate de ideias, uma perspectiva de cultura como impulso para a mudança, que tornam este espaço uma vanguarda de divulgação literária, artística e científica, cuja dimensão, em termos nacionais mas também internacionais, está ainda por ser devidamente estudada.

No mesmo sentido, funda a Biblioteca Cosmos, com Manuel Rodrigues de Oliveira, que dirige desde 1941 até à morte. Uma Biblioteca que pretende ser, como escreve ao apresentar à colecção, «uma pequena pedra» para «toda uma vida nova a construir dominada por um humanismo novo». Em torno deste programa, Bento Caraça congrega intelectuais num espectro muito amplo de pertenças e referências do pensamento da época, muitos deles já colaboradores da Universidade Popular. O projecto gráfico é do amigo Carlos Botelho. Considerada já a primeira enciclopédia portuguesa, anterior à colecção francesa «Que sais-je?», a Biblioteca Cosmos, produção de transdisciplinaridade, no sentido conceptual contemporâneo, contará com a colaboração, entre outros, de Adolfo Casais Monteiro, Adriano Gusmão, António Sérgio, António da Silveira, Diogo de Macedo, escultor, José Gomes Ferreira, Luís Navarro Soeiro, Manuel Peres, Mário Dionísio, Mário Neves, Orlando Ribeiro, Paulo Quintela, Ruy Luís Gomes, Vitorino Magalhães Gordinho. Publicam aqui os primeiros livros, Rómulo de Carvalho, Agostinho da Silva, Irene Lisboa, Luís de Freitas Branco, Fernando Lopes Graça, Manuel Mendes, Maria Silva, Alberto Candeias, Flausino Torres, Eugénio Conceição Silva, Ramiro da Fonseca. Até 1948, ano da morte de Caraça, a Cosmos publica 145 volumes, correspondendo a 114 títulos, com uma tiragem global de 793 500 exemplares.

Mesmo quando a intervenção de Bento Caraça se assume numa vertente mais situada politicamente, é ainda e sempre o «despertar das almas» que o move. Porque, como acentua em diversas fórmulas, as revoluções pressupõem uma consciência necessária à sua sustentabilidade.
Destacando-se no empenho pelo frentismo político, Bento Caraça funda a Liga contra a Guerra e o Fascismo, é um activista no apoio aos presos nos campos de concentração nazis e aos refugiados, colabora na Frente Popular, surge como um dos mais estacados fundadores do MUNAF, Movimento de Unidade Nacional Antifascista, em 1942, e do MUD, Movimento de Unidade Democrática, em 1945, de cuja comissão central será vice-presidente. Por este envolvimento, no qual produz importantes documentos de análise política, será preso várias vezes e demitido das funções de docência a 8 de Outubro de 1946, sob a acusação de ter assinado um documento contra a admissão de Portugal na Nato, tal como o professor Mário de Azevedo Gomes, co-autor do documento e presidente da comissão central do MUD.
É já então casado com a segunda mulher, Cândida Gaspar, a aluna que o levou a abandonar a longa viuvez do breve casamento com Maria Octávia, que durara menos de um ano. Com Cândida, que lhe devolve a paixão e a ternura, será também breve a vida. Ele sabe-o. A doença cardíaca, já de longa data, agravava-se. Por isso o olhar de profunda ternura com que segue os primeiros passos vacilantes de João, o seu filho, é um olhar pleno de nostalgia. Nostalgia do futuro. E nas últimas fotografias antes da morte, a 25 de Julho de 1948, Bento Caraça devolve-nos o sorriso magoado dos que sabem que vão morrer.
Deixará uma obra invulgar. E uma invulgar saudade. Porque muitos foram os que o amaram nesse tempo de cruzamento de cumplicidades, de militâncias e de amizades. E mais ainda os que o admiraram.

No seu enterro, a 27 de Julho de 1948, uma impressionante multidão, num impressionante silêncio, vai pelas ruas de Lisboa, de Campo de Ourique ao Cemitério dos Prazeres. Agentes da polícia política enquadram a multidão, infiltram-se nela à espera da quebra do silêncio que não sucede, e, intimidatoriamente, filmam todo o funeral, nas ruas e no cemitério. Um cortejo simbólico, uma quase coreografia, imaginada pelo amigo Fernando Piteira Santos, as jovens e os jovens, em bloco, as mãos densas de flores. Afirmando a continuidade na ilusão do mundo que Bento Caraça procurou no seu empenho cultural e político.
Como ele escrevera em 1939, na Seara Nova, «as ilusões nunca são perdidas. Elas significam o que há de melhor na vida dos homens e dos povos. (...) Benditas as ilusões, a adesão firme e total a qualquer coisa de grande, que nos ultrapassa e nos requer. Sem ilusão nada de sublime teria sido realizado, nem a Catedral de Estrasburgo, nem as sinfonias de Beethoven. Nem a obra imortal de Galileu.»

NOTA acerca do percurso político de Bento de Jesus Caraça

O envolvimento político de Bento Jesus Caraça coloca-se inerente à sua visão do mundo. Toda a actividade cultural que desenvolve insere-se no político porque em Caraça cultura e política enraízam-se num mesmo cordão umbilical. O que aqui deixamos é apenas um esboço breve do percurso mais estritamente político organizacional.
Bento Caraça passa nos anos vinte pela Pró-Pátria, associação paramaçónica com uma orientação paidêutica; em Novembro de 1933, aparece referenciado ao lado de José Rodrigues Miguéis, no Núcleo de Intelectuais Simpatizantes do Partido Comunista Português; em 1934 integra, com Luís Dias Amado, Manuel Mendes, Manuela Tassara e Armindo Rodrigues, a Liga contra a Guerra e o Fascismo. Ainda nos anos trinta, participa no jornal Barricada do Bloco Académico Antifascista e na Frente Popular Portuguesa. Ligado à intelectualidade antifascista francesa é representante em Portugal do Movimento Amesterdão – Pleyed e, nos anos quarenta, surge, como protagonista decisivo, no apoio internacional aos prisioneiros dos campos de concentração nazis, prestado pelo American Comittee to Safe Refugees, através da ligação com Rodrigues Miguéis, exilado nos Estados Unidos.
Qualquer que tenha sido a sua ligação ao PCP, cuja dimensão em termos organizativos, surge, hoje, como polémica, ela é indubitável mas não terá sido uniforme através dos anos, nem acrítica. A reacção ironicamente amarga ao pacto de não-agressão germânico-soviético, em Agosto de 1939, surge em carta a Guida Lamy, uma das mais suas queridas amigas, discípula e colaboradora. No início de quarenta, encontra-se de tal modo desiludido, nomeadamente dada a situação no PCP, que pensa seriamente em emigrar avançando contactos nesse sentido com Rodrigues Miguéis. Desistirá deste não só pelas dificuldades inerentes, expressas na correspondência com Miguéis (seria essencial um “apadrinhamento” de Einstein ou outro cientista de destaque) mas porque o anima uma nova esperança gerada com a organização do Partido Comunista e a organização do MUNAF e do MUD, movimentos nos quais se distingue como membro destacado, integrando mesmo a direcção.
Em entrevista que realizei, em meados dos anos 90, a Álvaro Cunhal, com o qual Caraça fazia a ligação, depois de anos acompanhado por Fogaça, a relação de Caraça ao PCP teria sido singular, não integrando nenhum organismo dada a sua personalidade dificilmente compreendida por outros camaradas. Manifestei estranheza porque Caraça já militara no Núcleo e não entendi porque não podia, nos anos quarenta, fazer parte de uma célula de intelectuais. Álvaro Cunhal insistiu no “temperamento especial” de Caraça.
Não compete a quem tenta um esboço biográfico concluir sobre a especificidade- simpatizante ou militante- da natureza do vínculo de Bento de Jesus Caraça. A sua ligação ao PCP foi, repetimos, indubitável, independentemente da sua natureza. Mais: Caraça tinha uma vasta e profunda cultura marxista, bem evidente em escritos e acção. Um marxismo claramente com tonalidades próximas de Gramsci, cuja reflexão, desenvolvida, nos Cadernos de Carcere, escritos entre 1929 e 1937, data da morte, e só publicados, em parte, em 1947, não podia conhecer. Esta proximidade teórica, particularmente no domínio da análise sobre a intelectualidade talvez radique em influências teóricas comuns, em particular de Benedetto Croce.

Helena Neves













A propósito duma fotografia de meu Avô Bernardino Machado tirada por Bento de Jesus Caraça








Recordo a importância que teve a leitura de muitos dos volumes da Biblioteca Cosmos na minha formação!











A importância da Biblioteca Cosmos há muito que está registada na história da cultura portuguesa.

Transcrevo o interessante texto de António Valdemar no jornal Público:








terça-feira, 27 de agosto de 2019





A amnistia durante o governo de 1914 de Bernardino Machado










segunda-feira, 26 de agosto de 2019





Na época de verão, de 1951 a 1958, trabalhei como médico hidrologista nas Pedras Salgadas, como 2.º Adjunto do Director Clínico das Termas, o Professor Doutor Cascão de Anciães


 Ficava instalado no Hotel do Norte,
que chamavam o "Vaticano", por ser o hotel onde se hospedavam
os padres missionários,
 que vinham à metrópole fazer "a cura de águas"...

Com o Visconde de Asseca, o Professor Cascão e
 Nelly Candeias, durante o Concurso Hípico Internacional
de Pedras Salgadas, Agosto de 1955


A Bárbara Miguel e a Rita estiveram, quando da sua estadia em Oura, nas Pedras Salgadas, donde me enviaram estas fotografias: