quinta-feira, 2 de julho de 2015


Rita! Um beijo de gratidão pela tua pesquisa!
Caricatura desenhada mais de meio século antes do 25 de Abril!

Bernardino Machado  num desenho do caricaturista francês Adrien Barrère (1874/1931) - Caricatura tirada duma revista da época - 1918




Adrien Barrère

Un article de Wikipédia, l'encyclopédie libre.
Aller à : navigation, rechercher
Adrien Barrère, nom d'artiste de Adrien Baneux, né le à Paris 11e[1] et mort en 1931 à Paris, fut un affichiste et un peintre français de le Belle Époque[2].
Professeurs de la Faculté de médecine (1904). De la gauche vers la droite: André Chantemesse (1851-1919) (médecine expérimentale), Georges Pouchet (1833 - 1894) (histologie et anatomie), Paul Poirier (1853-1907) (anatomie), Georges Dieulafoy (1839-1911) (pathologie), Georges Debove, (1845-1920) Paul Brouardel, (1837-1906) (médecine), Samuel Pozzi (1846-1918) (gynécologie), Paul Tillaux (1834-1904) (chirurgie), Georges Hayem (1841-1933) (médecine clinique), Victor Cornil (1837-1908) (pathologie), Paul Berger (1845-1908) (membre de l'Académie de médecine), Felix Guyon (1831-1920) (urologie), Henri Depeton (1857-1929) (histologie), Adolphe Pinard (1844-1934) (obstétrique), Pierre Budin (1846-1907) (obstétrique)
Louis Duchesne croqué par Adrien Barrère.

Biographie[modifier | modifier le code]

Après avoir étudié le droit et la médecine, Adrien Barrère se tourna vers l'illustration et plus particulièrement l'art de la caricature, dessinant aussi un grand nombre de posters pour les cinémas parisiens et le Grand Guignol. Son affiche avec des caricatures de la faculté de médecine de Paris, dont l'original est détenu par l'université de Rouen dans des dimensions (72 × 116 cm) deux plus grandes que les dernières copies, était immensément populaire à l'époque — pas un étudiant qui n'en avait pas une copie — et atteignit les 420 000 copies imprimées[3].
Sa collaboration avec Pathé fut fructueuse et donna lieu à une célèbre affiche: Tous y mènent leurs enfants. En 1912, le Courrier cinématographique, journal de la profession, le décrivit comme étant l'homme du moment à Pathé, créateur de plus de 200 affiches "à la verve et l'imagination débridées".
Barrère est l'auteur en 1919 de l'affiche du bolchévik hirsute et effrayant, serrant entre ses dents un couteau dégoulinant de sang et qui servit de propagande anticommuniste lors des élections législatives d'après-guerre[4].
Adrien Barrère chroniqua et caricatura des acteurs de la scène parisienne en adoptant un attitude plus complaisante que celle de Toulouse-Lautrec[5].

Notes et références[modifier | modifier le code]

  1. Archives Départementales de Paris en ligne, acte de naissance N° 11e/1874/4817
  2. Posters Please [archive]
  3. http://www.kugener.com/abfrage.php?id=1161 [archive]
  4. Christian Delporte, La IIIe République de Poincaré à Paul Reynaud, Pygmalion 1998, p.32
  5. Encyclopaedia of Cinema Personalities [archive]



Adrien Barrère, caricaturiste

Quelques curieux se demanderont sans doute quelle est l’illustration de couverture que nous avons choisie cet été pour notre blog et les réseaux sociaux.
Gravure de BarrèrePour tout vous dire, il s’agit d’une caricature signée Adrien Barrère (1874-1931), issue de nos collections.
Ce dernier était d’autant mieux placé pour croquer les médecins de l’époque qu’il fut lui-même étudiant en médecine (et en droit). Ainsi aurait-il côtoyé certains des professeurs représentés, ce qui expliquerait la ressemblance des portraits avec leurs augustes modèles.
Prenant par Barrère
Iodures et bromures Cros. Docteur Prenant, par Barrère. Cote CIPA0913.
L’un de ses plus grands succès fut sa série de 4 lithographies caricaturant les professeurs de la faculté de Médecine. Sur une période de 25 ans, il s’en vendit, paraît-il, plus de 420.000 exemplaires. Elle étaient imprimées dans le quartier Latin par Barrère en personne, et parfois mises en couleur à la main.
Celle choisie pour notre illustration est la troisième dans l’ordre chronologique, qui présente certains professeurs comme des spécimens d’anatomie pathologique conservés dans le formol.
Retrouvez ces lithographies (ou leurs reproductions) dans nos collections : la première de 1903, la troisième (1908) qui sert donc cet été de couverture, et la quatrième (1910). Nous ne possédons pas la deuxième (1907) dans nos fonds, l’impudique « Nude Lady », comme l’appellent les collectionneurs anglo-saxons. Avis aux généreux donateurs !
À propos de cette Nude Lady, objet de toutes les convoitises : elle met en scène Eugène Doyen (1859-1916). Les pratiques novatrices de ce chirurgien firent scandale en son temps : il réalisa dans sa clinique privée des clichés photographiques de coupes anatomiques et fit même filmer ses opérations. Sur la caricature, il apparaît donc derrière la table d’opération entouré d’appareils photos. Pour en savoir davantage, retrouvez dans Medic@ un article biographique ainsi que l’ensemble des ouvrages qu’il a publiés, librement consultables en ligne – ou consultez le récent article de Thierry Lefebvre dans la Revue du Praticien (vol. 63, mai 2013, p. 734-737).
La légende raconte que Barrère aurait dessiné une cinquième version, que jamais il ne publia…
Retrouvez l’histoire de ces gravures dans deux articles de la revue The Practitioner (vol. 207, 1971, pp. 106-113 et 239-243, cote 90830).
D’autres gravures de Barrère (et 145.000 autres documents graphiques) sont accessibles gratuitement dans notre banque d’images et de portraits (cliquez ici pour y accéder).
     

terça-feira, 30 de junho de 2015



Afonso Costa e o Governo de Bernardino Machado de 1921









Afonso Costa veio de Paris para estar presente nas cerimónias de tumulação do Soldado Desconhecido, tendo vindo e regressado no comboio onde viajou o Marechal Joffre.





Diário de Lisboa - Ano 1º. , nº. 3
Sábado, 9 de Abril de 1921


Diário de Lisboa - Ano 1º. , nº. 4
Segunda-feira, 11 de Abril de 1921

No almoço de homenagem aos representantes da Missões Militares da França (Marechal Joffre), Inglaterra (General Smith Dorien) e Itália (Marechal Diaz) - 10 de Abril de 1921, esteve presente Afonso Costa.

Do blogue CFP - Clube Filatélico de Portugal





De "O Seculo Comico"










sexta-feira, 26 de junho de 2015




Um recorte do jornal "Diário de Notícias", do espólio de Bernardino Machado

Recorte do Diário de Notícias
29.01.1921



Do Arquivo Histórico Militar

Ilustração Portuguesa - 21.10.1922

Ilustração Portuguesa - 28.10.1922




Do portal
OS AVIADORES DA ARMA DE AERONÁUTICA NA I GUERRA MUNDIAL

Em 1917, o comandante do CEP, o General Gomes da Costa conseguiu integrar no "Groupe de Divisions D'Entrainement dePlessis-Belleville" 31 pilotos e 31 mecânicos portugueses. Quando, após a determinação do Ministro da Guerra de Sidónio Pais, o General Freitas Soares, ordenou o regresso de todo o pessoal da aviação a Portugal, 13 pilotos portugueses não obedeceram à ordem e mantiveram-se integrados nas esquadrilhas francesas a combater os alemães.

Piloto Esquadrilha Base Avião
Capitão Óscar Monteiro Torres SPA-65 Soissons SPAD 7-C1

Tenente Pedro Emílio Jones da Silveira C-278 Laon Sopwith 2-A2 (1/2 Strutter)

Alferes Eduardo Santos Moreira C-278 C-278 Laon Sopwith 2-A2 (1/2 Strutter)

Tenente José Francisco Antunes Cabrita ESQ-218 Soissons Handley-Page O/400

Capitão José Joaquim Ramires N-158 Laon BR 14-A2

Alferes João Salgueiro Valente N-158 Laon BR 14-A2

Tenente Ulisses Augusto Alves SAL-263 Laon Salmson 2

Tenente Pereira Gomes Júnior SAL-263 Laon Salmson 2

Tenente António de Sousa Maya SPA-124 La Noblette SPAD 13-C1

Tenente José Barbosa Santos Leite SPA-124 La Noblette SPAD 13-C1

Alferes Alberto Lello Portela SPA-124 La Noblette SPAD 13-C1

Tenente António da Cunha e Almeida SPA-79 Montdidier-Noyon BR 14-A2

Tenente Luís da Cunha e Almeida SPA-79 Montdidier-Noyon BR 14-A2

Alguns destes pilotos pintaram nos seus aviões as cores portuguesas, quer por transformação dos "cocardes" franceses em "cocardes" portugueses, que para tal bastava manter o exterior vermelho e pintar os círculos branco e azul de verde, ou por cobrir parte da fuselagem com listas diagonais verde e vermelho, como no caso dos pilotos Santos Leite, Sousa Maya e Lello Portela, que pertenceram à Esquadrilha SPA-124 "Jeanne d'Arc", 

A Formação do Corpo Aéreo Militar do CEP


Avião do Capitão Alberto Lello Portela, em 1918, SPA-124, Jeanne d'Arc.


Em Fevereiro de 1916 o Ministério da Guerra solicitou à Grã-Bretanha a formação de alguns pilotos, que na intenção de Portugal viriam a formar o grupo aéreo do CEP. Assim, e ainda em Fevereiro, foram enviados os Tenentes António de Sousa Maya e Óscar Monteiro Torres e o Alferes Alberto Lello Portela, que viram a obter em Junho de 1916 os respectivos brevets militares nas escolas de aviação civil de Hendon e militar de Northolt.

Num cenário de fraca colaboração entre o Governo Inglês e o Governo Português, os intuitos de formar o "Serviço de Aviação do CEP" acabaram por se gorar, não sem ter existido uma vontade firme e repetida do Capitão Norberto Guimarães para o criar. O Capitão Norberto Guimarães foi nomeado para formar e comandar o Serviço de Aviação do CEP10. Do seu conhecimento sobre o funcionamento dos esquadrões do Royal Flying Corps (RFC), surgiu a proposta de organização do serviço aéreo português na Flandres. Devido às dificuldades que o Governo Inglês colocava à formação de pilotos portugueses, e devido às excelentes relações pessoais do Capitão Norberto Guimarães com o Estado-Maior francês, os pilotos portugueses foram colocados em escolas de aviação francesas e, ainda, foi garantida as alocações posteriores em esquadrilhas de caça ou de bombardeamento francesas, por forma a virem a ter experiência de combate.

O Serviço de Aviação do CEP foi projectado para ter três esquadrilhas: 1ª Esquadrilha de Caça e a 2ª e 3ª Esquadrilhas de Regulação de Tiro. Em Novembro de 1917 foi solicitado à Grã-Bretanha os seguinte equipamento aeronáutico:

a) 10 caças SPAD, de 150cv e respectivo armamento;
b) Material de apoio para organizar três esquadrilhas tipo "RFC";
c) Aviões de bombardeamento;
d) Material de regulação de tiro e de fotografia aérea;
e) Hangares e barracas para o Grupo aéreo, para albergar 10 aviões;
f) Motores de reserva e sobressalentes para operar durante seis meses;
g) Projectores e material para voo nocturno.

Não existiu por parte dos aliados ingleses a vontade de auxiliar a formação do serviço de aviação português, como estava acordado no compromisso inicial de fornecimento de material de guerra e logístico ao CEP, tendo inclusivamente em Dezembro de 1917, o Quartel-General britânico comunicado ao comandante do CEP que não procederiam a qualquer auxílio para formar a unidade portuguesa. Em Janeiro de 1918, o franceses, também, indicam que não têm a possibilidade de se substituírem ao ingleses o que colocou um ponto final ao projecto de criar uma esquadrilha portugueses na Flandres. 

O Capitão Norberto Guimarães não se dá por vencido na pretensão de colocar pilotos portugueses no front, e para tal propõe que os pilotos portugueses viessem a voar em esquadrilhas de Spad e de Breguet francesas. O comandante Raimbert, do "Groupe des Divisions de Entrainement" considera que é impossível colocar os pilotos portugueses se passar por uma fase de treinos com estes modelos de aviões, antes de irem para o front. Em 31 de Março de 1918 o Governo Português, por intermédio do Ministro da Guerra deu ordem de dissolução do Serviço de Aviação do CEP. As ordens não foram acatadas em França e em 3 de Abril de 1918 o Bureau des Alliés dá ordem aos pilotos portugueses Tenentes Ulysses Alves e Pereira Gomes para seguirem para a Esquadrilha 263, do 7º Exército na Alsácia e em Maio dá ordem para os Capitães António da Cunha e Almeida, e Luís da Cunha e Almeida (irmãos) para seguirem para a Esquadrilha de caça Spad 79.

A 26 de Maio, o Governo Português dá ordem de regresso imediato a Portugal a todos os pilotos do extinto Serviço de Aviação do CEP. O Capitão regressou a Portugal, mas muitos dos pilotos ignoraram a ordem de regresso e mantiveram-se a lutar em esquadrilhas francesas até ao fim da guerra. (1)

Os Pilotos Portugueses da Aviação Militar


Os primeiros pilotos foram formados na Grã-Bretanha e em França e destes saíram os instrutores da futura aviação militar de Portugal. No que se refere à aviação naval é tratado à parte, na página da Marinha.

Capitão Alberto Cifka Duarte
Cavalaria
Capitão Norberto Ferreira Guimarães
Artilharia
Tenente António de Sousa Maya
Cavalaria
Tenente Francisco da Cunha Aragão
Cavalaria
Tenente José Barbosa Santos Leite
Infantaria
Tenente Óscar Monteiro Torres
Cavalaria
Alferes Alberto Lello Portela
Cavalaria
Alferes Carlos Esteves Beja
Infantaria
Alferes João Salgueiro Valente
Cavalaria

Para atrair voluntários para a escola de aviação, o Capitão Norberto Guimarães, em Março de 1917, efectuou um voo de propaganda aeronáutica a bordo de um Nieuport Ni.83 E-2, que se iniciou na Escola de Aviação de Vila Nova da Rainha, com escalas em várias cidades, e com chegada na cidade de Viana do Castelo. Conseguiu a adesão de muitos oficiais das unidades militares visitadas e com este grupo inicial  deu-se início ao primeiro curso de pilotagem militar na Escola de Pilotagem de Vila Nova da Rainha.

Capitão José Joaquim Ramires
Cavalaria
Tenente Alfredo Duvalle Portugal
Infantaria
Tenente António Maria da Cunha e Almeida
Infantaria
Tenente Aurélio de Castro e Silva
Engenharia
Tenente João Luís de Moura
Cavalaria
Tenente José Lopes Correia de Matos
Artilharia de Costa (5)
Tenente José Manuel Sarmento de Beires
Engenharia
Tenente Luís Carlos da Cunha e Almeida
Infantaria
Tenente Olímpio Ferreira Chaves
Infantaria
Alferes Eduardo do Rosário Gonçalves
Cavalaria
Alferes Jorge Ávila
Infantaria
Alferes Jorge de Sousa Gorgulho
Cavalaria
Alferes José Pereira Gomes Júnior
Infantaria
Alferes Miguel Paiva Simões
Cavalaria
Alferes António CorreiaInfantaria (7)
Alferes David António Monteiro SimõesInfantaria (7)
Alferes António Rodrigues Alves Infantaria (7)
Alferes Artur Pedro Ferreira de BritoInfantaria (7)
Alferes Francisco Pinheiro de Sousa LarcherInfantaria (7)
Sargento João dos Santos
Infantaria


O Capitão Norberto Ferreira Guimarães foi nomeado responsável do "Serviço de Aviação do CEP" em 2 de Julho de 1917. O Capitão Alberto Cifka Duarte, o Alferes Carlos Esteves Beja e após o primeiro curso de formação de pilotos o Alferes Jorge Ávila e o Sargento João dos Santos, que era o sargento-mecânico da Escola e o único sargento com brevet de piloto-aviador durante 20 anos. (2)

Os Pilotos Portugueses em Acção na Europa


Os aviadores portugueses acabaram por serem enviados para escolas de pilotagem militar francesas, para praticar com o material antes de se constituir a esquadrilha do CEP, o que nunca veio a acontecer, pelo que foram utilizados individualmente pelos franceses depois de instruídos e em combate, tendo inclusivamente alguns obtido a Cruz de Guerra da França.

Em 2 de Julho de 1917, o Capitão Norberto Ferreira Guimarães foi nomeado responsável do "Serviço de Aviação do CEP" e em 20 de Agosto de 1917 foi criada a "Esquadrilha Inicial (EI)" para efeitos de mobilização e enquadramento do pessoal a enviar para França. Foram colocados em Campolide, Lisboa, no Quartel de Artilharia 1. Foi conseguido organizar um grupo de 60 oficiais (pilotos e observadores) e 40 mecânicos para partirem para França e Inglaterra.

Parte dos pilotos foram para as escolas de acrobacia, tiro e voo nocturno em Avord, Pau, Istres e Cazauz e outros para a Escola de instrução Elementar de Voo em Juvisy.  Os observadores foram para Inglaterra e os mecânicos foram para a escola de St. Cyt, perto de Paris, França.

Em 1917, o comandante do CEP, o General Gomes da Costa conseguiu integrar no "Groupe de Divisions D'Entrainement de Plessis-Belleville" 31 pilotos e 31 mecânicos portugueses. Quando, após a determinação do Ministro da Guerra de Sidónio Pais, o General Freitas Soares, ordenou o regresso de todo o pessoal da aviação a Portugal, 13 pilotos portugueses não obedeceram à ordem e mantiveram-se integrados nas esquadrilhas francesas a combater os alemães.

PilotoEsquadrilhaBaseAvião
Capitão Óscar Monteiro Torres
SPA-65
Soissons
 SPAD 7-C1
Tenente Pedro Emílo Jones da Silveira
C-278
Laon
 Sopwith 2-A2 (1/2 Strutter)
Alferes Eduardo Santos Moreira
C-278
Laon
 Sopwith 2-A2 (1/2 Strutter)
Tenente José Francisco Antunes Cabrita
ESQ-218
Soissons
 Handley-Page O/400
Capitão José Joaquim Ramires
N-158
Laon
 BR 14-A2
Alferes João Salgueiro Valente
N-158
Laon
 BR 14-A2
Tenente Ulisses Augusto Alves
SAL-263
Laon
 Salmson 2
Tenente Pereira Gomes Júnior
SAL-263
Laon
 Salmson 2
Tenente António de Sousa Maya
SPA-124
La Noblette
 SPAD 13-C1
Tenente José Barbosa Santos Leite
SPA-124
La Noblette
 SPAD 13-C1
Alferes Alberto Lello Portela
SPA-124
La Noblette
 SPAD 13-C1
Tenente António da Cunha e Almeida
SPA-79
Montdidier-Noyon
 BR 14-A2
Tenente Luís da Cunha e Almeida
SPA-79
Montdidier-Noyon
 BR 14-A2

Alguns destes pilotos pintaram nos seus aviões as cores portuguesas, quer por transformação dos "cocardes" franceses em "cocardes" portugueses, que para tal bastava manter o exterior vermelho e pintar os círculos branco e azul de verde, ou por cobrir parte da fuselagem com listas diagonais verde e vermelho, como no caso dos pilotos Santos Leite, Sousa Maya e Lello Portela, que pertenceram à Esquadrilha SPA-124 "Jeanne d'Arc", antiga Lafayette, que utilizavam listas na fuselagem com as cores nacionais. (3)

Há ainda que referir a presença do Tenente António Jacinto Brito Pais, pertencente à companhia de Sapadores de Caminho de Ferro, que em 1917 partiu para França integrado no Corpo Expedicionário Português e que durante a estadia em França ingressou nos Serviços de Aviação do CEP, tendo frequentado a Escola de Mecânicos de Saint Cyr, onde se especializou em motores Gnome-Rhone e Hispano-Suisse. Prestou serviço na Esquadrilha SPA-124 "Jeanne d'Arc" como mecânico, em apoio aos pilotos portugueses.
 

Relativamente à indicação de Tenente José Francisco Augusto Cabrita, ter pilotado um Handley-Page V/1500, na Esq-218, é muito pouco provável, já que apesar de terem sido encomendados 215 Handley-Page V/1500 pelo Ministério do Ar britânico, em Outubro de 1917, o primeiro protótipo ficou pronto em Maio de 1918 e apenas três bombardeiros foram entregues ao Esq-166 a 8 de Novembro de 1918, os quais estiveram armados e carregados para missão, mas com o Armistício a 11 de Novembro, não não chegaram a executar qualquer missão de guerra. Inclusivamente os Handley-Page V/1500 tiveram a sua produção cancelada após o final da guerra e somente 36 foram produzidos. (4)


Capitão Óscar Monteiro Torres
 Capitão Óscar Monteiro Torres    Spad_VII

Serviu na Esquadrilha 65, tendo sido convidado pelo seu amigo Georges Guynemer (Ás francês), para se juntar à Esquadrilha 3, a famosa "esquadrilha cegonhas". Ainda na Esquadrilha 65, no dia 19 de Novembro de 1917, quando voava o seu SPAD S7C1, #4268, foi abatido pelo piloto alemão Rudolf Windisch, da Jasta 32. Durante o combate o Capitão Óscar Monteiro Torres abateu um dos aviões de observação alemães, um Halberstadt, e um dos caças de escolta, um Fokker. O combate deu-se na zona entre Chemin des Dames e Laon, e acabou por cair na zona alemã. Foi recolhido e levado para um hospital alemão de campanha, onde no dia seguinte faleceu em resultado dos graves ferimentos que tinha sofrido em combate. O seu SPAD foi mais tarde utilizado pelo Rudolf Windisch. Recebeu postumamente a Cruz de Guerra de 1ª classe.


Capitão Alberto Lello Portela
 Capitão Alberto Lello Portela         Spad_XIII

Entre 1917 e 1918 serviu na Esquadrilha 124. Obteve 3 vitórias confirmadas em combates aéreos e 1 balão inimigo abatido(7), durante as 22 missões de combate que efectuou na Grande Guerra. Em 1916 já tinha estado com os pilotos Óscar Monteiro Torres, António de Sousa Maya e José Barbosa dos Santos Leite, no 10º Sqn RAC, no aeródromo de  Chocques, onde voavam em missões de fotografia e de observação. Promovido a capitão por mérito, obteve 3 citações do Exército Francês, entre as quais uma em Ordem do IV Exército, e recebeu a condecoração francesa de Legião de Honra.


Grupo de Observadores Aéreos


Por instrução do Capitão Rui da Cunha Menezes foi formado o Grupo de Observadores do Corpo Expedicionário Português, em 5 de Novembro de 1917. Em Janeiro de 1918 a organização e recrutamento encontrava-se concluído. O regulamento do Grupo de Observadores foi escrito pelo Tenente Alberto Lello Portela. Os observadores deste Grupo seriam trinados para o serviço em balões cativos de observação.

Na retaguarda do front fazia-se a observação por balões cativos, que se elevavam entre 500 a 1.000 metros do solo. Os "soucisses" estavam ligados por cabo de arame a um sarilho montado num camião. Os observadores, ao contrário dos pilotos, já utilizavam pára-quedas. (9)

Os pontos de observação no sector português localizavam-se em: Convent, Heath, Robinson, Chapigny, Norton Ledge e Nook. Os Ingleses nunca chegaram a deixar ocupar os balões de observação apenas por observadores portugueses, mantendo o grupo em instrução entre Fevereiro e Abril, data em que o CEP seria retirado da frente de combate para descanso. Assim durante os dois meses que durou a instrução, os observadores portugueses trabalharam em conjunto com os ingleses nos pontos de observação de Convent e Chapigny. (8)



Aviação Inglesa ao Serviço do CEP


A 1 de Janeiro de 1918, foi destacado um "Flight" de 6 aparelhos destacados do 4ºth Squadron que ficou adstrito ao CEP, com as seguintes ordens:
a) Missões de reconhecimento e fotografia do sistema de linhas da frente inimigas numa profundidade de 1.000 jardas (900 m) a partir da linha da frente portuguesa;
b) Cooperação com a infantaria e artilharia de campanha portuguesa.

Esta foi denominada "Detached Flight" e a 15 de Janeiro de 1918 transformada em "4ºth Squadron RFC" com a dotação de 12 aviões. A 23 de Março de 1918 esta esquadrilha foi rendida pela 42ºth Squadron RFC. A ligação entre a esquadrilha inglesa e o CEP era feira através do comando do Batalhão de Infantaria 8, que para o efeito tinha organizado uma secção especial a "Branch Intelligence Section" (BIS). Apesar da informação fluir, entre a recolha da informação e a chegada da mesma ao BI 8 existia uma grande demora, situação que levou a BIS, do BI 8 a queixar-se da situação a 24 de Março de 1918.

Para melhorar a coordenação entre a infantaria portuguesa e o 42º th Squadron RFC, o BI 8 mandou organizar no CEP instrução sobre "exercícios de patrulhas de contacto", para melhorar a comunicação entre os aviões de observação e a infantaria em Março de 1918.

Também em colaboração com o 42º th Squadron RFC trabalhou o Alferes Henriques Guilherme da Silva do BI 35, no que se refere ao tratamento da fotografia aérea. (6)



Links



Notas
  1. AHM D1/S35/CX1243, ofereceu-se como voluntário para o serviço aéreo em 12 de Outubro de 1917.
  2. Martins(1995), p.289-90, com referência à nota do Exército n.º GS956, de 29-12-1917.
  3. Magno(1921b), p.12.
  4. Martins(1995), p. 293.
  5. Magno(1921a), p. 67.
  6. Oliveira(1995), p.62, nomeação no Despacho do Ministério da Guerra de 2 de Julho de 1917.

 

Bibliografia

  • Ilustração Portuguesa, (1919), Série II, 30 Junho de 1919, n.º 697, Lisboa, O Século, HML
  • MARTINS, Ferreira (1934), "Portugal na Grande Guerra", Vol. II, Lisboa, 1ª ed., Empresa Editorial Ática
  • CORREIA, José Manuel (2009), "1916-1938, As Relações Aeronáuticas Luso-Britânica, Breve História de uma Cooperação Conturbada", Mais Alto, Ano XLVII n.º 382 Nov/Dez 2009, pp.37-41.
  • LOPES, Mário Canongia e José Manuel Rodrigues Costa(1989), "Os Aviões da Cruz de Cristo", Lisboa, Dinalivro
  • MUNSON, Kenneth (2004), "Bombers, Patrol and Reconnaissance Aircraft 1914-1919", London, ed., Bounty Books, (ISBN: 0-7537-0918-X)
  • MARTINS, Dorbalino dos Santos(1995), "Estudo de Pesquisa Sobre a Intervenção Portuguesa na 1ª Guerra Mundial (1914-1918) na Flandres, (Colectânea de Documentação)", s.e., Lisboa, Estado-maior do Exército, Direcção de Documentação e História Militar, (PT/AHM: B/C8120)
  • MAGNO, David (1921a), "Livro da Guerra de Portugal na Flandres, Volume I", s.e., Porto, Companhia Portuguesa Editora.
  • MAGNO, David (1921b), "Livro da Guerra de Portugal na Flandres, Volume II", s.e., Porto, Companhia Portuguesa Editora
  • OLIVEIRA, General A.N. Ramires (1995), "História do Exército Português 1910-1945", Volume IV, Lisboa, Direcção dos Serviços de História Militar, (PT/AHM: C7939)