quinta-feira, 25 de abril de 2019





Bernardino Machado e a Liberdade




















quarta-feira, 24 de abril de 2019

terça-feira, 23 de abril de 2019






Sobre as jóias pessoais da Rainha Dª. Amélia

Nas minhas pesquisas pela Internet encontreis esta referência: -
:" O diadema de estrelas, uma das jóias mais importantes da Casa Real Portuguesa, foi encomendado pela Rainha D. Maria Pia de Sabóia na década de 1860. Foi elaborado pelo joalheiro Estevão de Sousa e foi montado com diamantes pertencentes ao Tesouro Real, logo, não era uma peça pessoal da soberana, mas sim uma jóia pertencente ao Estado. Para a sua feitura, foram desmontadas várias jóias que já então eram pertença do Tesouro Real.
Por esse motivo, aquando da queda da Monarquia e consequente exílio da Família Real, esta prure, composta de diadema, colar, brincos, pulseiras, alfinetes e vários pentes, não seguiu o caminho de outras jóias, essas sim pessoais, que foram enviadas às soberanas no seu exílio pelo governo da Iª República.
Encontra-se ainda hoje em depósito no Palácio Real da Ajuda, juntamente com todas as outras jóias que são pertença da coleção do Estado. Nos anos 50 do século XX, o Estado Novo ordenou um restauro geral às jóias da Coroa, realizada pelo joalheiro Rosas, que desmontou a maior parte das peças, sobrevivendo o colar e o diadema ainda que muito adulterado.
Deve-se ao facto do joalheiro ter utilizado outras estrelas que serviam de adorno aos cabelos e ao vestido e as ter incluído no diadema do qual não faziam parte. Daí a diferença que se vê no diadema entre a vária iconografia das Rainhas quando o usam e o seu estado actual."


A rainha Dª.Amélia com o diadema


Do arquivo da Torre do Tombo



















Fernando Eduardo de Serpa Pimentel, administrador geral da Fazenda da Casa Real



O Capitão Fernando Eduardo de Serpa Pimentel, foi o último administrador geral da Fazenda da Casa Real e foi um oficial às ordens do Rei de Portugal.
















segunda-feira, 22 de abril de 2019







A prisão de meu tio Bernardino no Aljube 











Do arquivo da Torre do Tombo





Meu tio Bernardino com meu irmão José













domingo, 21 de abril de 2019

sábado, 20 de abril de 2019



No Museu Bordalo Pinheiro









Quando no passado dia 17 estive no Museu Bordalo Pinheiro, na conversa com Vasco Castro, recordei uma vista ao museu quando da minha juventude! Estava vestido com a farda da Mocidade Portuguesa e a fotografia tirada na  antiga entrada , junto à cerâmica "O lobo e a cegonha", conforme o esclarecimento que me tinha sido dado, há meses pelo Dr. João Alpuim. Aliás a fotografa está registada neste blogue, com comentários:  -  ver aqui  - https://manuel-bernardinomachado.blogspot.com/search?q=mocidade+portuguesa
















sexta-feira, 19 de abril de 2019







Vasco um dos nomes grandes da caricatura e cartoon  -  3

A conversa com Vasco:


Da esrq. para a dir.: Mário Beja Santos,
Vasco, Rui Cardoso Martins e António Valdemar