quinta-feira, 30 de abril de 2009


Iº EMBAIXADOR DE PORTUGAL NO BRASIL

Bernardino Machado regressa a Portugal, como 1º Embaixador de Portugal no Rio de Janeiro, em 21 de Janeiro de 1914. Logo após a sua chegada, em 3 de Fevereiro, forma ministério detendo a Presidência, o Interior e, interinamente, os Negócios Estrangeiros

terça-feira, 28 de abril de 2009


O Almirante Gago Coutinho visitou Bernardino Machado na Senhora da Hora em 1944.



Dois livros importantes para o conhecimento do pensamento activo de Bernardino Machado






segunda-feira, 27 de abril de 2009


"Em Julho de 1932, Salazar tomava conta do poder supremo, sendo investido na Presidência do Conselho de Ministros. Em fins do mesmo ano, concedia ao jornalista António Ferro cinco famosas entrevistas, logo publicadas no Diário de Notícias e compiladas em livro com o título, Salazar, o homem e a sua obra. Foi da sua leitura que Bernardino Machado colheu a ideia de mais um manifesto, em que procura analisar a pessoa e a obra do Ditador." (A. H. de Oliveira Marques)



O manifesto foi escrito quando Bernardino Machado residia no Hotel del Tecla, e tem a data de 31 de Janeiro de 1933.
Fotografia de Bernardino Machado e dum postal com a imagem do hotel de La Guardia (A Guarda) daquela altura.
Para ver as fotografia e ler o texto clicar sobre as imagens.


















sexta-feira, 24 de abril de 2009


Bernardino Machado e o seu primeiro exílio

Bernardino Machado durante o seu primeiro exílio, após o golpe de estado sidonista, residiu durante uns meses, de Abril a Novembro de 1918, em Hendaia, onde em 12 de Outubro morre sua filha Maria. Esteve hospedado no Eskualduna, que Mr. Martinet gentilmente pôs à sua disposição. Um ano antes, já este grande amigo de Portugal, o arquitecto H. Martinet, tinha cedido o Casino d’Hendaye-Plage à Cruzada das Mulheres Portuguesas, onde ficou instalado o hospital para os soldados portugueses feridos em combate nas trincheiras, ou convalescentes de doença.

Transcrevemos da Ilustração Portuguesa o texto e as fotografias sobre “Um hospital para os portugueses em Hendaia”.

Do livro “No Exílio” digitalizamos uma carta de Bernardino Machado para José de Castro, e o manifesto – "À Nação", ambos os documentos redigidos durante este período do seu exílio.
















terça-feira, 21 de abril de 2009



Uma carta de Bernardino Machado para meu Pai e uma fotografia de meu Avô, com minha tia Elzira e o casal Jaime Cortesão, pouco tempo antes da sua vinda para Portugal



Biarritz - Fev. 1940

segunda-feira, 20 de abril de 2009

MUSEU BERNARDINO MACHADO - FAMALICÃO

Entrevista com o Dr. Artur Sá da Costa

video

sábado, 18 de abril de 2009

Bernardino Machado foi o Iº Embaixador de Portugal no Brasil

Bernardino Machado chega ao Rio de Janeiro e toma posse da legação de Portugal em 11 de Julho de 1912, entregando credenciais como ministro de Portugal no Rio em 23 do mesmo mês. A legação portuguesa é elevada a embaixada em 1 de Novembro de 1913. Em seguida, Bernardino Machado entrega credenciais como 1º Embaixador de Portugal no Rio de Janeiro, regressando a Portugal no dia 21 de Janeiro de 1914.




Fotografia de Bernardino Machado, acompanhado de suas filhas Joaquina e Elzira, tirada em 1913.

sexta-feira, 17 de abril de 2009





ATLÂNTIDA - vol. III - nº 10 - 1916

Para ler os textos clicar sobre as imagens

Artigo de João de Barros

















Recordações fotográficas


Bernardino Machado, após o seu regresso do exílio, no final de Junho de 1940, residiu em Mantelães, Paredes de Coura, até Março de 1942, quando é internado de urgência, por pneumopatia, no Hospital da Ordem Terceira de S Francisco, no Porto. No mes de Julho seguinte passa a viver na Senhora da Hora, nos arredores do Porto, até novo internamento na Clínica Dr. Alberto Gonçalves, no Porto, em Março de 1944, aí falecendo em 29 de Abril, com 94 anos de idade.




Durante o seu internamento em 1942, com a mulher e alguns familiares: de pé e a partir da esquerda - Bernardino Peres Machado (neto), Domingos Machado (filho), Dulce Peres Machado (nora), Júlio Machado Vaz (neto), Sofia Machado (filha), Elzira Machado (filha), Augusto Barros Machado (neto), Joana Machado Vaz (filha), Bernardino Machado Vaz (neto); sentados e a partir da esquerda - Elzira Dantas Machado, Bernardino Machado, Manuela Machado Vaz (filha), com o seu neto ao colo, Angelo Carlos Machado Vaz.




Dando um passeio na Senhora da Hora (1942), acompanhado duma neta -Lucinda Barros Machado, de sua filha Elzira e de Abílio Barreiros, seu antigo discípulo em Coimbra e governador civil de Leiria durante os governos de 1914.

quinta-feira, 16 de abril de 2009


Bernardino Machado na primeira Presidência da República

Fotografia tirada na Cidadela de Cascais em Março de 1917
( da esquerda para a direita - Joaquina Machado Carvalho, Leote do Rego, Ester Norton de Matos, Bernardino Machado, Norton de Matos, Rita Norton de Matos e Domingos Machado)



CRUZADA das MULHERES PORTUGUESAS


No centro das senhoras sentadas está Elzira Dantas Machado, que presidia à Cruzada, no extemo direito Joaquina Dantas Machado, e no extremo esquerdo das senhoras de pé está Maria Dantas Machado






JULIO BRANDÃO escreveu no "Primeiro de Janeiro" de 28 de Abril de 1922, na secção "Poetas e Prosadores", um texto intitulado "MARIA"






No dia 28 de Março passado, aniversário de nascimento de Bernardino Machado, na inesquecível tarde que passei com jovens falamicenses, reunidos no Museu Bernardino Machado, na primeira sessão do Programa Vovóteca, recordei como os exílios de meu Avô lhe foram penosos e de grande amargura, sempre preocupado com a Família e a República. Li, então, alguns parágrafos do livro de memórias - "MARIA", que escreveu sobre a filha Maria Francisca, falecida durante o primeiro exílio.

Para ler os textos clicar em cima das imagens